Slideshow CK

Lançamento da Editora Reflexão
"Esdras Costa Bentho - Entre a Razão e a Emoção: A Experiência Pentecostal do Espírito" em http://www.cpadnews.com.br/
"Lucas Banzoli - Calvinismo ou Arminianismo - Quem Está com a Razão?"
"Robin Phillips - Por Que Eu Deixei de Ser Calvinista" em http://deusamouomundo.com/
"Roger E. Olson - Minha Lista de Denominações Aprovadas" em http://personaret.blogspot.com.br/
"J. Matthew Pinson - Expiação, Justificação e Apostasia no Pensamento de John Wesley" em http://www.globaltrainingresources.net/
William Lane Craig - Doutrina da Salvação - Parte 3 - Arminianismo

William Lane Craig - Pergunta 142 - Conhecimento Médio e Eleição Divina

Pergunta 142

 

Conhecimento Médio e Eleição Divina

 

William Lane Craig

 

Questão 1:

 

Tenho estudado o conceito de conhecimento médio e gostaria de saber o seu ponto de vista sobre o seguinte:

 

1) Existem pessoas que Deus não pode predestinar à salvação porque elas livremente rejeitariam a Cristo não importam quais circunstâncias Deus as jogue?

2) Existem pessoas que não responderiam a um apelo[1] mas que responderiam a um encontro com Cristo na estrada de Damasco?

3) Deus negaria passivamente um encontro com Cristo na estrada de Damasco à pessoa da Q2 se Deus não a houvesse escolhido?

 

Agradecido,

Michael.

 

Questão 2:

 

Dr. Craig,

 

Eu aprecio esta oportunidade de fazer uma pergunta a um grande pensador como você. Estou fascinado pelo debate em torno do conhecimento médio, mas superficialmente parece que ele pode ser muito simplista. Por exemplo, digamos que entre os mundos possíveis existam dois sob as seguintes condições:

 

Mundo Possível #1:

 

1. Existem três pessoas (A, B e C).

2. A Pessoa A encontra uma Bíblia e é salva.

3. A pessoa A compartilha o Evangelho com a pessoa B que é então salva.

4. A Pessoa C nunca é salva porque mesmo que ela escute o evangelho, colocou na cabeça que sempre discordaria com qualquer coisa que B acredita. (Eu conheço pessoas assim!)

 

Mundo Possível #2:

 

1. Existem três pessoas (A, B e C).

2. A Pessoa A encontra uma Bíblia e é salva.

3. A pessoa A compartilha o evangelho com a pessoa C que é então salva.

4. A Pessoa B nunca é salva porque mesmo que ela escute o evangelho, colocou na cabeça que sempre discordaria com qualquer coisa que C acredita.

 

Pergunta: Que mundo Deus preferiria? Aquele em que as pessoas A e B são salvas (Mundo #1) ou aquele no qual as pessoas A e C são salvas (Mundo #2)? Como muitos mundos possíveis de contingências existem, parece que Deus pode ter de fazer escolhas onde pessoas potencialmente salvas nunca seriam salvas.

 

Obrigado,

Bruce.

 

Dr. Craig responde:

 

É importante ter sempre em mente que Luis de Molina desenvolveu sua doutrina do conhecimento médio divino em resposta às visões fortemente predeterminacionistas dos Reformadores Protestantes como Lutero e Calvino. Ele quis enunciar uma doutrina extremamente forte da soberania divina, satisfazendo para tanto as demandas teológicas dos reformadores, tendo a vantagem de afirmar também a realidade do livre arbítrio humano. Pessoas que não gostam das afirmações fortes dos reformadores sobre a soberania divina estão, portanto, inclinados a desgostar também das visões de Molina. Mas Molina, assim como os reformadores, tomou com seriedade, gostassem disso ou não, a afirmação bíblica sobre a soberania divina acima dos negócios dos homens.

 

Bruce, tomemos primeiro a sua questão, e assumamos que esses não são apenas mundos possíveis, mas mundos que são viáveis para Deus de criar (Sobre a diferença veja a Questão #138). Além disso, pelo bem do argumento, suponhamos que esses sejam os únicos mundos habitados por apenas A, B e C que são viáveis para Deus. Num caso como esse, cabe à liberdade e soberania de Deus escolher qual mundo preferir. Tudo o mais sendo igual (não sabemos como é o restante desses mundos), esses dois mundos parecem exatamente os mesmos em valor, e portanto eu não posso ver qualquer razão para a preferência de Deus sobre um mundo em vez do outro. Parece ser uma escolha como aquela descrita no caso clássico do asno de Buridan, o infeliz animal que foi pego à mesma distância entre dois pacotes igualmente apetitosos de feno. O debate foi sobre se o asno, em faltando-lhe o livre-arbítrio, iria morrer de fome, não tendo ímpeto para escolher um ao invés do outro. Um ser humano nunca cairia numa armadilha como essa, já que é da própria natureza do livre arbítrio fazer escolhas arbitrárias entre alternativas igualmente boas. Então, parece-me que Deus poderia escolher arbitrariamente entre esses dois mundos (embora existam outras incontáveis opiniões).

 

Suponha que Deus escolha fazer surgir o mundo #2. Então B está condenado, mesmo que ele teria sido salvo se Deus tivesse escolhido criar, pelo contrário, o mundo #1. Isso parece deixá-lo desconfortável, Bruce. Se sim, então o que você precisa manter em mente é que em qualquer mundo, Deus deseja a salvação de todas as pessoas e provê graça suficiente para a salvação delas. O mundo de A, B e C que Deus realmente prefere criar é aquele em que A, B e C todos abraçam livremente a graça de Deus e encontram a salvação. Infelizmente, ex hypothesi, esse mundo, embora possível, não é viável para Deus de criar. Uma das três pessoas irá perversamente rejeitar a graça salvadora de Deus e separar-se dEle eternamente. Então, mesmo embora a soberania de Deus escolha qual mundo criar, a decisão é das pessoas daquele mundo se serão ou não salvas. Um molinista francês colocou esse paradoxo muito eficientemente:

 

Cabe a Deus decidir se eu me encontro num mundo no qual sou predestinado; mas cabe a mim decidir se eu sou predestinado no mundo em que me encontro.

 

Pense muito e cuidadosamente sobre isso. Contanto que a segunda cláusula seja verdadeira, Deus não pode ser culpado pela condenação de ninguém.

 

Agora, nós estamos restringindo artificialmente as opções de Deus pelo bem do argumento. Portanto, não segue do seu experimento mental que Deus tem de “fazer escolhas onde pessoas potencialmente salvas nunca são salvas”. Porque talvez Deus tenha escolhido realizar um mundo no qual os condenados são exclusivamente pessoas que teriam rejeitado a graça de Deus em todo mundo viável para Deus no qual elas existem. Nesse caso, não é verdade que Deus criou quaisquer pessoas não salvas que são, como você colocou, “potencialmente salvas”. (É claro, todas as pessoas são potencialmente salvas já que existem mundos possíveis nos quais aquelas pessoas são livremente salvas; mas tais mundos podem não ser viáveis para Deus). Talvez todos os réprobos são indivíduos trans-mundialmente condenados pelo seu próprio livre-arbítrio. Isso é, obviamente, pura especulação, mas mostra que nós não deveríamos assumir assim tão precipitadamente que existem pessoas que são condenadas mas que seriam salvas se algum outro mundo viável fosse o real.

 

Isso nos traz à sua questão, Michael. A resposta curta a todas elas é, “Nós não sabemos”. (1), como já vimos, é certamente possível; de fato, talvez todos os réprobos sejam assim. Novamente, talvez existam pessoas como aquelas descritas em (2). Tome, por exemplo, alguém que é salvo lendo a Escritura e tornando-se cônscio da convicção do Espírito Santo. Talvez ele também teria sido salvo se tivesse tido uma experiência como a do apóstolo Paulo na estrada de Damasco; mas ele não teria respondido a um apelo. Não consigo ver qualquer razão para pensar que não existam pessoas assim.

 

Com respeito à (3), sua pergunta é um pouco enganadora: Numa visão molinista, o problema não é que Deus não tenha escolhido essa pessoa, mas que essa pessoa não o escolheu. De acordo com a visão de Molina, Deus oferece graça suficiente para a salvação de todo ser humano, mas a sua graça é extrinsecamente eficaz, não intrinsecamente, porque ela requer a livre resposta da parte da pessoa para que seja eficaz em salvá-la. O que Deus realmente faz é escolher um mundo no qual aquela pessoa livremente responde à salvação de Deus ou livremente a rejeita. Então o que eu penso que você realmente está perguntando é isso: existem pessoas que são condenadas porque elas livremente rejeitam à graça de Deus mas que teriam sido salvas livremente num mundo viável em que elas estivessem em outras circunstâncias? E a resposta para essa pergunta é, como venho dizendo, “Nós não sabemos”. Podemos muito bem imaginar por que Deus não criaria um mundo no qual essas pessoas se encontrassem em outras circunstâncias: talvez, em um mundo assim, incontáveis outras pessoas teriam sido perdidas, de tal forma que esse mundo tem desvantagens predominantes. Por outro lado, talvez, como sugerido acima, todos os réprobos são trans-mundialmente condenáveis, de forma que ninguém poderia dizer a Deus no dia do julgamento: “Se você tivesse me criado em outras circunstâncias, então eu teria escolhido livremente ser salvo!”.

 

A doutrina do conhecimento médio não toma uma posição específica nessa espécie de questões, mas pode ser empregada com criatividade para elaborar várias opções.

 

Fonte: http://www.reasonablefaith.org/site/News2?page=NewsArticle&id=7803

 

Tradução: Samuel Carvalho Santos



[1] Nota do tradutor: No original está “altar call”. Um “altar call”, segundo a Wikipedia, é aquela prática em algumas igrejas evangélicas em que aqueles que desejam fazer uma nova aliança espiritual com Cristo são convidados a irem à frente do altar, para “aceitar a Jesus” publicamente. É o chamado “apelo”, realizado algumas vezes no final das reuniões ou dos cultos.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Perguntas Respondidas

 A pergunta surge naturalmente: se Cristo morreu por todos, por que todos não são salvos? A resposta está no simples fato de que cada um deve crer que Cristo morreu por ele antes de poder participar dos benefícios de sua morte. Em João 8.24 Jesus disse: “Porque se não crerdes que eu sou, morrereis nos vossos pecados.” Lewis Sperry Chafer declara: “A condição indicada por Cristo, sobre a qual eles (os incrédulos) podem evitar morrer nos seus pecados, não se baseia no fato de ele não morrer a seu favor, mas sim em colocarem nele a sua fé... o valor da morte de Cristo, por mais maravilhosa e completa que seja, não se aplica aos não regenerados até que venham a crer.” [Lewis Sperry Chafer, Systematic Theology (Teologia Sistemática), Dallas, TX: Dallas Seminary Press, 1947, v. III, p. 97] Esta questão de necessidade é uma aplicação pessoal, pela fé, da graça salvadora de Jesus Cristo, como ilustrado pelos detalhes da noite da páscoa. A família israelita deveria matar um cordeiro e aspergir o sangue sobre as ombreiras e a verga das portas de suas casas e os moradores deveriam então permanecer nelas. Deus disse: “O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes: quando eu vir o sangue, passarei por vós, e não haverá entre vós praga destruidora, quando eu ferir a terra do Egito” (Êx 12.13). Deus não olharia no quintal onde o cordeiro fora morto, mas nas portas de cada casa. Quando visse ali o sangue, o anjo da morte não pararia. Deve haver uma aplicação pessoal, pela fé, do sangue precioso que foi derramado por nós no Calvário.

William Evans resume o assunto admiravelmente quando diz:

“A expiação é suficiente para todos; ela é eficiente para aqueles que creem em Cristo. A expiação propriamente dita, à medida que coloca a base para o trato redentor de Deus com os homens, é ilimitada; a aplicação da expiação é limitada àqueles que creem verdadeiramente em Cristo. Ele é o salvador em potencial de todos os homens; mas efetivamente só dos crentes. ‘Ora, é para esse fim que labutamos e nos esforçamos sobremodo, porquanto temos posto a nossa esperança no Deus vivo, salvador de todos os homens, especialmente dos fieis’ (1Tm 4.10).”

Fonte: Guy P. Duffield & Nathaniel M. Van Cleave, Fundamentos da Teologia Pentecostal, Vol. 1, pp. 258-260

 

Uma doutrina arminiana crucial é a graça preveniente, na qual os calvinistas também acreditam, mas os arminianos a interpretam diferentemente. A graça preveniente é simplesmente aquela graça de Deus que convence, chama, ilumina e capacita, e que precede a conversão e torna o arrependimento e a fé possíveis. Os calvinistas a interpretam como irresistível e eficaz; a pessoa em quem ela opera irá crer e arrepender-se para salvação. Os arminianos a interpretam como resistível; as pessoas são sempre capazes de resistir à graça de Deus, como a Escritura chama a atenção (At 7.51). Mas sem a graça preveniente, elas inevitavelmente e inexoravelmente resistirão à vontade de Deus por causa de sua escravidão ao pecado.

Quando falamos de “graça preveniente” estamos pensando na que “precede”, que prepara a alma para a sua entrada no estado inicial da salvação. É a graça preparatória do Espírito Santo exercida para o homem enfraquecido pelo pecado. Pelo que se refere aos impotentes, é tida como força capacitadora. É aquela manifestação da influência divina que precede a vida de regeneração completa.

Em um sentido, então, os arminianos, como os calvinistas, creem que a regeneração precede a conversão; o arrependimento e a fé são somente possíveis porque a velha natureza está sendo dominada pelo Espírito de Deus. A pessoa que recebe a total intensidade da graça preveniente (isto é, através da proclamação da Palavra e a chamada interna correspondente de Deus) não mais está morta em delitos e pecados. Entretanto, tal pessoa não está ainda completamente regenerada. A ponte entre a regeneração parcial pela graça preveniente e a completa regeneração pelo Espírito Santo é a conversão, que inclui arrependimento e fé. Estes se tornam possíveis por dádiva de Deus, mas são livres respostas da parte do indivíduo. “O Espírito opera com o concurso humano e por meio dele. Nesta cooperação, contudo, dá-se sempre à graça divina preeminência especial.”

A ênfase sobre a antecedência e preeminência da graça forma o denominador comum entre o Arminianismo e o Calvinismo. É o que torna o sinergismo arminiano “evangélico.” Os arminianos levam extremamente a sério a ênfase neotestamentária na salvação como um dom da graça que não pode ser merecido (Ef 2.8). Entretanto, as teologias arminianas e calvinistas – como todos os sinergismos e monergismos – divergem sobre o papel que os humanos desempenham na salvação. Como Wiley observa, a graça preveniente não interfere na liberdade da vontade. Ela não dobra a vontade ou torna certa a resposta da vontade. Ela somente capacita a vontade a fazer a escolha livre para cooperar ou resistir à graça. Essa cooperação não contribui para a salvação, como se Deus fizesse uma parte e os humanos fizessem outra parte. Antes, a cooperação com a graça na teologia arminiana é simplesmente não-resistência à graça. É meramente decidir permitir a graça fazer sua obra renunciando a todas as tentativas de auto-justificação e auto-purificação e admitindo que somente Cristo pode salvar. Todavia, Deus não toma esta decisão pelo indivíduo; é uma decisão que os indivíduos, sob a pressão da graça preveniente, devem tormar por si mesmos.

Fonte: Roger E. Olson, Arminian Theology: Myths and Realities, p. 35-36

A morte de Cristo por todos os homens pode ser concluída de diversas passagens das Escrituras:

1 – Daquelas que dizem que ele morreu por “todo homem”, por “todos os homens”, por “todos”, pelo “mundo”, por “todo o mundo”:

Pois o amor de Cristo nos constrange, porque julgamos assim: se um morreu por todos, logo todos morreram; e ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. [2Co 5.14-15]

Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo. [1Tm 2.5-6]

Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos. [Hb 2.9]

E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo. [1Jo 2.2]

2 – Daquelas que dizem que Deus em Cristo reconciliou o mundo:

Pois que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões; e nos encarregou da palavra da reconciliação. [2Co 5.19]

3 – Daquelas que dizem que Cristo daria sua vida pelo mundo:

Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo. [Jo 6.51]

4 – Daquelas que dizem que a graça veio sobre todos os homens:

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus. [Rm 3.23-24]

Portanto, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação e vida. [Rm 5.18]

Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens. [Tt 2.11]

5 – Daquelas que dizem que Deus deseja a salvação de todos os homens:

Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Deus, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que razão morrereis, ó casa de Israel? [Ez 33.11]

Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. [1Tm 2.3-4]

O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se. [2Pe 3.9]

6 – Daquelas que dizem que o Evangelho deve ser pregado a todos os homens:

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. [Mc 16.15-16]

E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressuscitasse dentre os mortos, e em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém. [Lc 24.46-47]

Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam. [At 17.30]

7 – Daquelas que dizem que Jesus veio salvar os perdidos:

Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido. [Lc 19.10]

8 – Daquelas que dizem que Jesus é o Salvador do mundo ou de todos os homens:

E diziam à mulher: Já não é pela tua palavra que nós cremos; pois agora nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo. [Jo 4.42]

Pois para isto é que trabalhamos e lutamos, porque temos posto a nossa esperança no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, especialmente dos que crêem. [1Tm 4.10]

E nós temos visto, e testificamos que o Pai enviou seu Filho como Salvador do mundo. [1Jo 4.14]

9 – Daquelas que dizem que Jesus veio salvar o mundo:

No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. [Jo 1.29]

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. [Jo 3.16-17]

E, se alguém ouvir as minhas palavras, e não as guardar, eu não o julgo; pois eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo. [Jo 12.47]

Ressuscitando Deus a seu Filho Jesus, primeiro o enviou a vós, para que nisso vos abençoasse, no apartar, a cada um de vós, das vossas maldades. [At 3.26]

10 – Daquelas que dizem que Jesus se entregou por aqueles que o rejeitam:

Disse-lhes, pois, Jesus: Na verdade, na verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo. [Jo 6.32-33]

11 – Daquelas que dizem que Jesus morreu pelos judeus:

Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. [Is 53.6]

Ora ele não disse isto de si mesmo, mas, sendo o sumo sacerdote naquele ano, profetizou que Jesus devia morrer pela nação. [Jo 11:51]

12 – Daquelas que dizem que Jesus morreu pelos ímpios ou veio salvá-los:

Pois, quando ainda éramos fracos, Cristo morreu a seu tempo pelos ímpios. [Rm 5.6]

Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal. [1Tm 1:15]

13 – Daquelas que dizem que Jesus morreu por aqueles que se perdem ou que correm risco de se perderem:

Mas, se por causa da comida se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. Não destruas por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu. [Rm 14.15]

Pela tua ciência, pois, perece aquele que é fraco, o teu irmão por quem Cristo morreu. [1Co 8.11]

De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça? [Hb 10:29]

Mas houve também entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá falsos mestres, os quais introduzirão encobertamente heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. [2Pe 2.1]

Artigo 1

Que Deus, por um eterno e imutável plano em Jesus Cristo, seu Filho, antes que fossem postos os fundamentos do mundo, determinou salvar, de entre a raça humana que tinha caído no pecado – em Cristo, por causa de Cristo e através de Cristo – aqueles que, pela graça do Santo Espírito, crerem neste seu Filho e que, pela mesma graça, perseverarem na mesma fé e obediência de fé até o fim; e, por outro lado, deixar sob o pecado e a ira os costumazes e descrentes, condenando-os como alheios a Cristo, segundo a palavra do Evangelho de Jo 3.36 e outras passagens da Escritura.

 Artigo 2

Que, em concordância com isso, Jesus Cristo, o Salvador do mundo, morreu por todos e cada um dos homens, de modo que obteve para todos, por sua morte na cruz, reconciliação e remissão dos pecados; contudo, de tal modo que ninguém é participante desta remissão senão os crentes.

 Artigo 3

Que o homem não possui por si mesmo graça salvadora, nem as obras de sua própria vontade, de modo que, em seu estado de apostasia e pecado para si mesmo e por si mesmo, não pode pensar nada que seja bom – nada, a saber, que seja verdadeiramente bom, tal como a fé que salva antes de qualquer outra coisa. Mas que é necessário que, por Deus em Cristo e através de seu Santo Espírito, seja gerado de novo e renovado em entendimento, afeições e vontade e em todas as suas faculdades, para que seja capacitado a entender, pensar, querer e praticar o que é verdadeiramente bom, segundo a Palavra de Deus [Jo 15.5].

 Artigo 4

Que esta graça de Deus é o começo, a continuação e o fim de todo o bem; de modo que nem mesmo o homem regenerado pode pensar, querer ou praticar qualquer bem, nem resistir a qualquer tentação para o mal sem a graça precedente (ou preveniente) que desperta, assiste e coopera. De modo que todas as obras boas e todos os movimentos para o bem, que podem ser concebidos em pensamento, devem ser atribuídos à graça de Deus em Cristo. Mas, quanto ao modo de operação, a graça não é irresistível, porque está escrito de muitos que eles resistiram ao Espírito Santo [At 7 e alibi passim].

 Artigo 5

Que aqueles que são enxertados em Cristo por uma verdadeira fé, e que assim foram feitos participantes de seu vivificante Espírito, são abundantemente dotados de poder para lutar contra Satã, o pecado, o mundo e sua própria carne, e de ganhar a vitória; sempre – bem entendido – com o auxílio da graça do Espírito Santo, com a assistência de Jesus Cristo em todas as suas tentações, através de seu Espírito; o qual estende para eles suas mãos e (tão somente sob a condição de que eles estejam preparados para a luta, que peçam seu auxílio e não deixar de ajudar-se a si mesmos) os impele e sustenta, de modo que, por nenhum engano ou violência de Satã, sejam transviados ou tirados das mãos de Cristo [Jo 10.28]. Mas quanto à questão se eles não são capazes de, por preguiça e negligência, esquecer o início de sua vida em Cristo e de novamente abraçar o presente mundo, de modo a se afastarem da santa doutrina que uma vez lhes foi entregue, de perder a sua boa consciência e de negligenciar a graça – isto deve ser assunto de uma pesquisa mais acurada nas Santas Escrituras antes que possamos ensiná-lo com inteira segurança.

A cláusula final, porque a fé não é de todos, visa ser uma explicação da conduta hostil dalguns. aqui pode ser entendida no sentido de confiança (nem todos os homens exercem fé) ou, menos provavelmente, como o corpo da fé (nem todos os homens aceitam a fé). As versões oferecidas por Frame, pág. 292, “pois a fé não é para todos” e “não são todos que são atraídos pela fé,” são menos prováveis que a de “porque nem todos os homens têm fé” (RSV), que entende a cláusula como espelho de experiência de Paulo. A declaração talvez pareça um pouco banal e desnecessária. Terá maior relevância se for visto não tanto como conclusão daquilo que acaba de ser dito quanto como introdução ao versículo seguinte; ou seja, Paulo a escreveu para servir de ligação com o versículo seguinte ao invés de ser uma declaração importante isoladamente. Ao mesmo tempo, a cláusula transmite o reconhecimento de Paulo de que, embora a oração seja em prol da pregação bem-sucedida da palavra, nem todos creem nem crerão.

I. Howard Marshall, I e II Tessalonicenses: Introdução e Comentário, p. 250

Recomendo a Leitura

Christian Theology
By Adam Clarke

Ler mais...

Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia
By Norman L. Geisler & Thomas Howe

Ler mais...

Surpreendido pela Esperança
By N. T. Wright

Ler mais...

Vídeos