3 - Eleição Condicional

1 2 3 4 5 Rating 5.00 (2 Votes)

3

 

Eleição Condicional

 

Jack W. Cottrell

 

Desde a era da Reforma nenhuma doutrina bíblica tem sido mais deturpada e maldita do que a doutrina da predestinação soteriológica (ou eleição). Muitas pessoas não consideram a idéia de a predestinação ser bíblica de forma alguma. Isto é porque elas a tem equiparado em suas mentes com uma determinada interpretação da predestinação, a saber, aquela doutrina desenvolvida por Agostinho e que se tornou popular através da influência de João Calvino. Reconhecendo que a predestinação calvinista é estranha à Bíblia, elas a rejeitam ou a explicam de forma totalmente errada.

 

Isto é extremamente lamentável, uma vez que a doutrina da predestinação é definitivamente escriturística, e quando bem entendida, é um dos mais significativos e gratificantes ensinamentos da Bíblia. Ela engrandece a majestade, sabedoria, amor e fidelidade de Deus, e fortalece o coração do crente. Todo o conselho de Deus não é proclamado quando esta doutrina é ignorada.

 

A principal preocupação deste capítulo é apresentar os aspectos positivos do ensino bíblico sobre eleição ou predestinação. Isto exigirá, no entanto, alguma consideração das falsas ou inadequadas idéias a respeito da predestinação, especialmente aquelas que resultam da tradição calvinista.

 

I – A Doutrina Bíblica da Eleição

 

Os termos do Novo Testamento que são particularmente relevantes são as palavras proöridzo, que significa “predestinar, predeterminar, decidir de antemão”; e eklogomai, que significa “eleger, escolher, selecionar”. Termos relacionados são o adjetivo eklektos, que significa “eleito” ou “escolhido” e o substantivo eklogë, que significa “a eleição”.

 

Dentro do contexto da doutrina da eleição, não há distinção significativa entre os termos teológicos predestinar e eleger.[1] A palavra predestinar inclui um elemento de tempo por meio de seu prefixo, e ela pode ser um termo mais geral;[2] mas nenhum ponto doutrinário pode ser feito extraindo uma nítida distinção aqui.

 

Neste capítulo, a palavra eleger irá ser utilizada normalmente, uma vez que é a mais comum, versátil e conveniente entre as duas.

 

A. A Estrutura da Eleição

 

É muito importante perceber que a doutrina bíblica da eleição é muito mais ampla no âmbito do que a eleição à glória eterna.  O seu contexto mais amplo é o total propósito redentor de Deus. Ao escolher o elenco para o grande drama do resgate, o Deus soberano selecionou algumas pessoas para preencher certas funções ou para realizar tarefas específicas e limitadas.

 

1. A ELEIÇÃO DE JESUS

 

O principal personagem do drama é o próprio Redentor, aquele que deve fazer o que for necessário, a fim de libertar a humanidade da culpa e servidão do pecado. O único escolhido para esse papel é Jesus de Nazaré, filho de uma humilde judia virgem. Somente Ele está qualificado para executar esta tarefa, pois somente Ele, de acordo com o plano de Deus, é o Filho de Deus encarnado.

 

Esta eleição de Jesus é o central e principal ato da eleição. Todos os outros aspectos da eleição estão subordinados e dependentes dela. Este é o coração do plano redentor.

 

Através do profeta Isaías o Senhor fala de Jesus como o eleito: “Eis aqui o meu servo, a quem sustenho; meu escolhido em quem a minha alma se apraz.”[3]  (Is 42.1). Mt 12.18 cita esta passagem e a refere a Jesus. Na transfiguração Deus falou diretamente do céu e anuncia a eleição de Jesus com estas palavras: “Este é meu filho, meu escolhido; a ele ouví!” (Lc 9.35). Como Pedro diz, Jesus é a pedra angular que foi eleita (1Pe 2.4, 6).

 

A eleição de Jesus fazia parte do plano divino, mesmo na eternidade, antes de os mundos serem criados. Pré-conhecendo tanto a obediência do Redentor quanto a desobediência de seus inimigos, Deus predeterminou a realização da redenção através de Jesus de Nazaré (At 2.23; 1Pe 1.20). Jesus foi predestinado ou preordenado a morrer pelos pecados do mundo (At 4.28).

 

2. A ELEIÇÃO DE ISRAEL

 

Embora Jesus tenha o papel principal no drama da redenção, existe um grande elenco de personagens de apoio. Estes são necessários, a fim de preparar o caminho para o aparecimento de Cristo sobre o palco da história.

 

O principal elemento do plano preparatório de Deus foi a eleição de Israel como o povo que produziria o Cristo. Dt 7.6 diz: “Pois vocês são um povo santo ao Senhor vosso Deus, o Senhor vosso Deus vos tem escolhido para ser um povo para a sua própria possessão dentre todos os povos que estão sobre a face da terra.” (Ver Dt 14.2.) Os israelitas foram “escolhidos” de Deus (1Cr 16.13). Paulo começa seu sermão na sinagoga de Antioquia, lembrando a seus compatriotas judeus, que “o Deus de Israel escolheu nossos pais, e fez o povo grande durante a sua estada na terra do Egito” (At 13.17).

 

Vários pontos importantes sobre a eleição de Israel devem ser notados. Em primeiro lugar, foi uma eleição para serviço e não para salvação. Ser escolhido como o povo do qual viria o Cristo traria com isso alguns dos mais elevados privilégios conhecidos ao homem (Rm 9.4, 5), mas a salvação necessariamente não estava entre eles. Se um israelita era salvo ou não, não depende simplesmente de sua filiação ao povo eleito. A nação poderia servir ao seu propósito de preparação para o Cristo, mesmo se a maioria dos indivíduos pertencentes a ela se perdesse.

 

 Isto leva a um segundo ponto, a saber, que a eleição de Israel foi a eleição de um grupo ou de um corpo coletivo, e não a eleição de indivíduos. Como Daane diz, “A Divina eleição do Antigo Testamento na sua forma básica é coletiva, corporativa, nacional. Ela abrange uma comunidade da qual o indivíduo israelita é parte integrante.”[4] Berkouwer concorda que mesmo Romanos 9 deve referir-se à nação de Israel e não ao destino eterno de indivíduos.[5] Em outras palavras, o propósito de Deus de preparação para o Messias foi servido através da nação como tal, não necessariamente através dos membros individuais da nação.

 

Em terceiro lugar, no entanto, deve ser notado que, por vezes, determinados indivíduos ligados a Israel foram escolhidos para funções especiais, a fim de facilitar o propósito da nação como um todo. A fim de criar Israel, Deus escolheu Abraão, Isaac e Jacó (ver Ne 9.7; Rm 9.7, 13). Ele escolheu a Moisés (Sl 106.23) e David (Sl 78.70), entre outros; ele mesmo escolheu certos governantes gentios para ajudar a realizar o seu propósito para Israel (por exemplo, Faraó: Rm 9.17; Ciro: Is 45.1).

 

O fato que Deus elegeu estes indivíduos para serviços específicos na história da salvação, não significa, entretanto, que eles foram eleitos para salvação pessoal (ou condenação, como pode ser o caso).

 

Desde que Israel foi escolhido para preparar o caminho para o aparecimento do Messias, seu propósito foi realizado e seu destino cumprido na encarnação, morte e ressurreição de Jesus Cristo (At 13.32, 33).[6]

 

3. A ELEIÇÃO DA IGREJA

 

O drama da redenção não está completo, é claro, quando Israel finalizou o seu papel. Nem está completo mesmo quando Cristo realizou seu trabalho de salvação na história. Cristo foi escolhido a fim de redimir os pecadores e trazê-los de volta para a comunhão com Deus. Assim, o drama não está completo até a sua obra redentora dar seus frutos, até que exista um corpo redimido de pessoas. Estes, também, estão incluídos na representação histórica do drama.

 

Deus já tinha decidido criar sobre este lado da cruz uma nova nação, um novo Israel. Seu papel difere do de Israel do Antigo Testamento. Seu propósito não é a preparação para a vinda de Cristo, mas antes a participação no seu trabalho salvador e sua proclamação. Este novo corpo eleito é a Igreja.

 

Assim como foi o caso de Israel do Antigo Testamento, a eleição da Igreja é uma eleição corporativa ou coletiva. A igreja como um corpo é agora o povo eleito de Deus, escolhida para completar o propósito redentor de Deus. Esta eleição corporativa da Igreja é refletida na referência de Pedro à “raça eleita” (1Pe 2.9) e na descrição de João das congregações locais como “senhora eleita” e sua “irmã eleita” (2Jo 1.13).

 

Como com Israel do Antigo Testamento, a eleição da Igreja é uma eleição para serviço. A Igreja é o veículo de Deus para a proclamação das boas novas de redenção em Cristo. Quando Pedro descreve a Igreja uma “raça eleita”, ele adiciona seu propósito para a escolha: “que você possa proclamar as excelências daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1Pe 2.9).

 

Assim como Deus escolheu certos indivíduos para serviço especial em relação a Israel, Ele selecionou um grupo de indivíduos que seriam seus instrumentos no estabelecimento da igreja. Dentre os seus discípulos Jesus “escolhe doze deles, os quais ele também nomeou como apóstolos” (Lc 6.13). Depois ele lhes perguntou “Eu não escolhi a vós, os doze...?” (Jo 6.70). Cristo está falando aos apóstolos quando ele diz, “Vocês não me escolheram, eu vos escolhi e vos designei para que vão e dêem frutos...” (Jo 15.16; veja 13.18; 15.19). Da mesma forma o apóstolo Paulo foi escolhido para um serviço especial (Gl 1.15, 16).

 

Em muitas maneiras, então, o Israel do Antigo testamento e a Igreja do Novo Testamento são paralelos com relação ao propósito eletivo de Deus. A eleição de cada um é uma eleição corporativa; cada um é eleito para serviço (Israel para preparação, a Igreja para a proclamação); e certos indivíduos são escolhidos para papéis especiais em conexão com cada um (Israel e Igreja).

 

B. A Eleição de Indivíduos para a Salvação

 

Em adição a essas similaridades, entretanto, existe uma importante diferença. Com o estabelecimento da Igreja uma nova dimensão é adicionada ao propósito da eleição, pois agora não é somente eleição para serviço, mas também eleição para salvação. A Igreja é eleita não somente para a proclamação do, mas também participação no, trabalho salvador de Cristo. A Igreja é o verdadeiro objeto do amor e sacrifício redentor de Cristo (At 20.28; Ef 5.25). Nós somos escolhidos para a salvação (2Ts 2.13).

 

Disto nasce a questão mais controversa associada com o assunto inteiro da eleição, a saber, qual é o relacionamento de indivíduos com o processo de eleição para salvação? Os indivíduos são eleitos ou predestinados à salvação? Se é assim, de que forma? Estas perguntas serão agora discutidas em detalhes.

 

1. A ELEIÇÃO INCONDICIONAL DE INDIVÍDUOS

 

Provavelmente a visão mais bem conhecida da eleição individual é a que está associada à teologia calvinista.[7] O Calvinismo ensina que certos indivíduos são incondicionalmente eleitos ou predestinados a se tornarem crentes em Jesus Cristo e assim serem salvos. Dentre a massa total da humanidade pecadora, mesmo antes de ser criada, Deus escolhe quais indivíduos Ele deseja que respondam à chamada do evangelho. Quando o chamado é feito, aqueles que foram escolhidos são irresistivelmente capacitados a respondê-lo. Estes são salvos, enquanto o restante da humanidade é condenada ao inferno para sempre.

 

Sobre qual base Deus escolhe aqueles a quem ele salva? Isto é somente conhecido pelo próprio Deus e ele determinou não revelar. Deus tem as suas próprias razões para as decisões que ele toma, mas elas não podem ser conhecidas pelos homens.[8] Assim, do ponto de vista humano, a eleição é totalmente incondicional. Não existem condições estabelecidas às quais se podem reunir a fim de qualificar para ser escolhido.

 

Esta visão foi ensinada por João Calvino. Nas Institutas ele diz:

 

Portanto, estamos afirmando o que a Escritura mostra claramente: que designou de uma vez para sempre, em seu eterno e imutável desígnio, àqueles que ele quer que se salvem, e também àqueles que quer que se percam. Este desígnio, no que respeita aos eleitos, afirmamos haver-se fundado em sua graciosa misericórdia, sem qualquer consideração da dignidade humana; aqueles, porém, aos quais destina à condenação, a estes de fato por seu justo e irrepreensível juízo, ainda que incompreensível, lhes embarga o acesso à vida.[9]

 

Também pertinente é a declaração de Calvino que “Deus não foi movido por nenhuma causa externa – por nenhuma causa além Dele – na nossa escolha; mas que Ele próprio, Nele próprio, foi a causa e o autor da escolha de Seu povo”.[10]

 

A Confissão de Fé de Westminster explica assim:

 

Segundo o seu eterno e imutável propósito e segundo o santo conselho e beneplácito da sua vontade, Deus antes que fosse o mundo criado, escolheu em Cristo para a glória eterna os homens que são predestinados para a vida; para o louvor da sua gloriosa graça, ele os escolheu de sua mera e livre graça e amor, e não por previsão de fé, ou de boas obras e perseverança nelas, ou de qualquer outra coisa na criatura que a isso o movesse, como condição ou causa. (III.5)

 

De acordo com o Calvinismo, então, indivíduos específicos são o objeto da eleição, e eles são escolhidos incondicionalmente.

 

2. A ELEIÇÃO CONDICIONAL

DE UMA CLASSE DE INDIVÍDUOS

 

A maior parte da Cristandade nunca foi capaz de aceitar o conceito da eleição incondicional de indivíduos como bíblico. Eles declaram que as Escrituras não ensinam tal idéia, pois parece injusto e arbitrário da parte de Deus e parece levar ao pessimismo e quietismo da parte do homem. Muitos que se opõem a este conceito asseveram, ao invés, que a eleição se baseia em certas condições, as quais qualquer pessoa pode reunir, e é a eleição de uma certa classe ou grupo, não a eleição de indivíduos específicos.

 

Esta visão é apoiada por muitos arminianos e é às vezes imaginado ser a visão arminiana do assunto. Enfatizando o caráter corporativo da eleição, o Dr. H. Orton Willey, o eminente teólogo nazareno, declarou, “Creio, naturalmente, na predestinação de uma classe”.[11] Ele entende ser censurável dizer que “Deus determinou de antemão se alguém deve ser salvo ou não, aplicado aos indivíduos”.[12]

 

Outra teóloga nazarena, Mildred B. Wynkoop, declara que as teorias sobre a predestinação são o divisor de águas entre o Calvinismo e o Arminianismo Wesleyano.[13] Ela traça a origem da idéia predestinação pessoal, particular e individual até Agostinho.[14] A teoria arminiana da predestinação declara justamente o oposto: “As pessoas não são eleitas individualmente para salvação, porém é Cristo quem foi nomeado como o único Salvador dos homens. O caminho da salvação está predestinado.”[15]

 

Robert Shank, no seu recente livro, Eleitos no Filho, apresenta uma visão similar. Eleição, ele diz, é primariamente corporativa e somente secundariamente particular.[16] Indivíduos tornam-se eleitos somente quando eles se identificam ou se associam com o corpo eleito.[17] Ele resume sua visão da eleição como “potencialmente universal, corporativa antes que particular, e condicional antes que incondicional”.[18]

 

3. A ELEIÇÃO CONDICIONAL DE INDIVÍDUOS

 

A visão recém discutida é uma tentativa deliberada de apresentar uma alternativa bíblica à doutrina calvinista da eleição incondicional, particular. Tal alternativa é necessária, pois a visão calvinista por inteiro é definitivamente contrária às Escrituras. É provável, entretanto, que o pêndulo tem pendido muito para a direção oposta. A eleição bíblica para salvação é na verdade condicional, mas é também individual ou pessoal. O elemento distintivo na eleição calvinista é sua natureza incondicional, não sua particularidade. Somente a anterior deve ser rejeitada; rejeitar a última é também uma reação exagerada e uma distorção do próprio ensino bíblico.

 

Qual é a doutrina bíblica da eleição? Como entendido aqui, é a idéia de que Deus predestina para salvação aqueles indivíduos que reúnem as condições graciosas, as quais Ele definiu. Em outras palavras, eleição para salvação é condicional e particular.[19]

 

a. Eleição individual. Uma crença popular entre os não-calvinistas é que “Deus predestinou o plano, não o homem”. As Escrituras, entretanto, mostram que são sempre pessoas que são predestinadas e não apenas algum plano abstrato e impessoal.[20] Isto é tão óbvio que dificilmente parece necessário mencionar. Em Rm 8.29, 30, Paulo está falando de pessoas. As mesmas pessoas que são predestinadas são chamadas, justificadas e glorificadas. Em 2Ts 2.13 ele diz que “Deus escolheu vocês”, o povo cristão de Tessalônica, “para salvação”. Ef 1.4, 5, 11 fala da predestinação de Deus em relação ao seu plano, mas é declarado especificamente que Deus nos predestinou (pessoas) para adoção como filhos de acordo com o seu propósito e plano.

 

Eleição, então, não é limitada a um plano impessoal, mas se aplica também a pessoas. Mas é aplicado a pessoas particularmente? São indivíduos específicos predestinados para a salvação? A resposta é sim. Nenhuma outra visão pode fazer justiça ao ensino bíblico em vários aspectos.

 

Primeiro deve ser notado que a Bíblia freqüentemente fala de predestinação em termos que especificam indivíduos particulares. Muitas passagens fazem referência aos eleitos em geral, mas outras referências focalizam pessoas especificamente. Em Rm 16.13 Rufo é identificado como uma pessoa eleita. Em 1Pe 1.1, 2 o apóstolo cumprimenta os cristãos eleitos em certas localidades geográficas específicas. Uma claríssima declaração da predestinação de indivíduos para salvação é 2Ts 2.13. Aqui Paulo diz aos irmãos tessalonicenses que “Deus escolheu vocês desde o princípio para salvação”. Esta declaração não pode ser generalizada e despersonalizada.

 

Outro ponto que deve ser notado é que Ap 17.8 fala daqueles “cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo”. Esta é uma declaração negativa, mas seria sem sentido dizer que alguns nomes pessoais não foram escritos no livro da vida desde o princípio, a menos que existam outros cujos nomes foram escritos lá desde o princípio.

 

Existe algum questionamento quanto a se os nomes podem ser apagados do livro da vida (veja Êx 32.32, 33; Sl 69.28; Ap 3.5) Se é assim, estes não seriam os nomes escritos lá desde a fundação do mundo, mas aqueles que tem o status, talvez, das sementes que brotaram em solo rochoso e árido (Mt 13.20-22). Aqueles que venceram são especificamente prometidos que seus nomes não serão apagados (Ap 3.5) e estes são, com toda probabilidade, aqueles escritos desde a fundação do mundo.

 

Em qualquer caso, existem certos indivíduos cujos nomes estão no livro da vida desde a fundação do mundo. E cujos nomes não serão apagados. Quem podem ser estes exceto aqueles a quem Deus predestinou individualmente para salvação? E o ponto aqui é que seus verdadeiros nomes tem sido conhecidos por Deus desde o princípio. O que pode ser isto, além de predestinação individual? “Alegrem-se, pois os seus nomes estão escritos nos céus”! (Lc 10.20).

 

Como é possível que Deus determinasse, mesmo antes da criação, quais indivíduos serão salvos, e até mesmo escrevesse seus nomes no livro da vida? A resposta é encontrada no fato e natureza do pré-conhecimento de Deus. A Bíblia explicitamente relaciona a predestinação ao pré-conhecimento de Deus e um correto entendimento deste relacionamento é a chave para a questão inteira da eleição para a salvação.

 

Rm 8.29 diz: “Aqueles a quem Ele conheceu, Ele também predestinou a se tornarem conformados à imagem do seu Filho, o qual Ele tornou o primogênito entre muitos irmãos”. Pedro endereça sua primeira carta àqueles “que são escolhidos de acordo com o pré-conhecimento de Deus, o Pai” (1Pe 1.1, 2). Em outras palavras, o pré-conhecimento de Deus é o meio pelo qual Ele determinou quais indivíduos devem ser conformados à imagem do seu Filho (no seu corpo ressurreto e glorificado).

 

Dizer que Deus tem pré-conhecimento significa que Ele tem real conhecimento ou cognição de algo antes que ele realmente aconteça ou exista na história. Este é o âmago (núcleo irredutível) do conceito, o qual não deve ser eliminado nem atenuado. Nada é mais consistente com a natureza de Deus.[21]

 

Uma das verdades básicas da Escritura é que Deus é eterno. Isto significa duas coisas. Primeira, significa que quando o tempo é considerado como uma sucessão linear de momentos com um antes, um agora e um depois, Deus é infinito em ambas as direções. Ele existiu antes do agora até o tempo infinito no passado (i.e., eternidade) sem nunca ter começo e Ele existirá após o agora até o infinito tempo no futuro (de novo, eternidade), sem nunca ter fim. “De eternidade a eternidade, tu és Deus” (Sl 90.2).

 

Mas dizer que Deus é eterno significa mais que isto. A eternidade de Deus não é apenas uma distinção quantitativa entre Ele e sua criação. Eternidade é também qualitativamente diferente do tempo. Que Deus é eterno significa que Ele não está limitado pelas restrições do tempo; Ele está acima do tempo. Um dado momento, que é passado e futuro para a criatura finita, é presente para o conhecimento de Deus. Tudo é agora para Deus, em um tipo de panorama do tempo; ele é o grande “EU SOU” (Êx 3.14).

 

Para se ter alguma idéia da majestade do infinito e eterno Criador, quando contrastada com a finitude de todas as criaturas, deve-se ler os desafios do Senhor aos falsos deuses e ídolos em Isaías 41-46. A verdadeira coisa que distingue Deus como Deus é que Ele transcende o tempo e o vê do começo ao fim em um único e mesmo momento. Deus desafia os falsos deuses a recitar o passado e a predizer o futuro. Eles não podem, mas Ele pode, porque Ele é Deus; e seu conhecimento do passado e futuro prova que Ele é Deus. Aqui está o Ele diz:

 

Apresentai a vossa demanda, diz o SENHOR; trazei as vossas firmes razões, diz o Rei de Jacó. Tragam e anunciem-nos as coisas que hão de acontecer; anunciai-nos as coisas passadas, para que atentemos para elas, e saibamos o fim delas; ou fazei-nos ouvir as coisas futuras. Anunciai-nos as coisas que ainda hão de vir, para que saibamos que sois deuses; ou fazei bem, ou fazei mal, para que nos assombremos, e juntamente o vejamos. Eis que sois menos do que nada e a vossa obra é menos do que nada; abominação é quem vos escolhe.” (Is 41.21-24)

 

Quem anunciou isto desde o princípio, para que o possamos saber, ou desde antes, para que digamos: Justo é? Porém não há quem anuncie, nem tampouco quem manifeste, nem tampouco quem ouça as vossas palavras. (Is 41.26)

 

Assim diz o SENHOR, Rei de Israel, e seu Redentor, o SENHOR dos Exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus. E quem proclamará como eu, e anunciará isto, e o porá em ordem perante mim, desde que ordenei um povo eterno? E anuncie-lhes as coisas vindouras, e as que ainda hão de vir. Não vos assombreis, nem temais; porventura desde então não vo-lo fiz ouvir, e não vo-lo anunciei? Porque vós sois as minhas testemunhas. Porventura há outro Deus fora de mim? Não, não há outra Rocha que eu conheça.  (Is 44.6-8)

 

Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim. Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade. Que chamo a ave de rapina desde o oriente, e de uma terra remota o homem do meu conselho; porque assim o disse, e assim o farei vir; eu o formei, e também o farei. (Is 46.9-11)

 

À luz do ensinamento bíblico a respeito da eternidade e pré-conhecimento de Deus e a relação entre seu pré-conhecimento e predestinação, deve ficar evidente que a predestinação deve ser de indivíduos. Seguramente Deus conhece tudo a respeito da vida de cada indivíduo. Ele não pode deixar de pré-conhecer justamente porque Ele é Deus. Ele vê o escopo inteiro de cada destino individual – mesmo antes da fundação do mundo.[22]

 

a. Eleição condicional. Muitos arminianos afirmam o pré-conhecimento de Deus enquanto ao mesmo tempo negam a predestinação individual. Alguns apenas ignoram a inconsistência envolvida, enquanto outros a descartam com um tipo de murmúrio embaraçado.[23] A razão por que eles estão tão determinados a rejeitar a eleição individual é que eles acreditam ser inseparável da doutrina calvinista da eleição. Este não é o caso, entretanto, o Calvinismo ensina a predestinação individual, mas isto não é o que o torna Calvinismo. A essência da doutrina calvinista, como percebido anteriormente, é que a eleição é incondicional. O divisor de águas não é entre particular e geral, mas entre condicional e incondicional. O erro calvinista é evitado quando se afirma que a eleição é condicional.

 

O pré-conhecimento de Deus foi enfatizado. Deus elege indivíduos de acordo com o Seu pré-conhecimento. Mas a seguinte pergunta pode ser feita: conhecimento do quê? A resposta é que Ele pré-conhece se um indivíduo reunirá as condições para salvação, as quais Ele tem soberanamente imposto. Quais são estas condições? A básica e toda-suficiente condição é se a pessoa está em Cristo, a saber, se o indivíduo entrou para uma união salvífica com Cristo por meio da qual Ele compartilha de todos os benefícios da obra redentora de Cristo. A quem Deus pré-conheceu estar em Cristo (“até a morte” – Ap 2.10), Ele predestinou para ser glorificado como o próprio Jesus.

 

Este é o significado de Ef 1.4, que diz “Ele nos escolheu Nele” – em Cristo – “antes da fundação do mundo”. Os eleitos são escolhidos em (έν) Cristo, isto é, porque eles estão em Cristo; eles não são escolhidos para (έίς) Cristo, isto é, a fim de que eles possam estar em Cristo. Eles estão em Cristo antes da fundação do mundo, não na realidade, mas no pré-conhecimento de Deus.

 

Que a condição básica para a eleição é estarmos em Cristo preserva o caráter cristocêntrico da predestinação, o que parece ser a maior preocupação para muitos.[24] Não deve ser esquecido que Jesus Cristo é o eleito e que qualquer eleição rendentora é Nele. Assim, não obstante a eleição é condicional, tudo depende de Cristo e dos graciosos benefícios da sua obra rendentora.

 

É claro, existem também condições que se deve reunir a fim de estar em Cristo, isto é, a fim de entrar em união redentora com Ele e permanecer nesta união. A condição básica, é claro, é a fé (Gl 3.26; Ef 3.17; Cl 2.12). Outras condições relacionadas são o arrependimento e o batismo ( At 2.38; Gl 3.27; Cl 2.12). Estas condições  não devem de forma alguma ser interpretadas como meritórias da parte do homem, visto que elas são graciosa e soberanamente impostas pelo próprio Deus. Assim, tendo definido estas condições para se estar em Cristo, Deus pré-conhece desde o princípio quem irá e quem não irá reuni-las. Aqueles a quem ele prevê como as reunindo são predestinados para a salvação.

 

Como, então, a predestinação bíblica deve ser descrita? O Calvinismo diz, “Deus incondicionalmente seleciona certos pecadores e os predestina a se tornarem crentes.” Isto é contrário ao ensino da Escritura, entretanto, que na verdade diz, que Deus seleciona todos os crentes e os predestina a se tornarem Seus filhos na glória.[25]

 

Em outras palavras, é importante ver exatamente para o que os indivíduos são eleitos. Eles são predestinados para a própria salvação, não aos meios de salvação. Eles não são predestinados a se tornarem crentes; eles não são predestinados à fé. Sua escolha de Jesus Cristo não é predestinada; sua escolha é pré-conhecida e as bênçãos subseqüentes da salvação são então predestinadas.[26]

 

A Bíblia é muito clara quanto a isto. Rm 8.29 diz que aqueles a quem Ele pré-conheceu foram predestinados por Deus “a se tornarem conformados à imagem de Seu Filho, para que Ele possa ser o primogênito entre muitos irmãos”. A referência a Cristo como sendo o primogênito é uma referência à Sua ressurreição dos mortos para o estado glorificado (Cl 1.18; Ap 1.5). Nosso ser conformado à sua imagem aqui se refere à nossa glorificação (Rm 8.30), quando nós iremos receber um corpo ressurreto como o Seu próprio corpo (Fp 3.21). Assim nós somos escolhidos para nos tornarmos filhos glorificados de Deus, Cristo sendo o primogênito entre muitos irmãos. (Similar a isto é Ef 1.5, que declara que nós somos predestinados para a adoção como filhos.)

 

Os crentes são predestinados não apenas para receber a glória futura, mas também para gozar os benefícios presentes da obra redentora de Cristo. Como 2Ts 2.13 diz, “Deus escolheu vocês desde o princípio para a salvação (έίς σώτήρίάν).” Em 1Pe 1.2 se vê que esta salvação inclui uma vida de boas obras e justificação pelo sangue de Cristo (“escolhidos... para que possam obedecer a Jesus Cristo e ser aspergidos com Seu sangue”).

 

A doutrina bíblica da eleição, então, definitivamente inclui a eleição condicional de indivíduos para a salvação. Através de Seu pré-conhecimento, Deus vê quem irá crer em Cristo como Salvador e Senhor e se tornar unidos a Ele no batismo cristão; então mesmo antes da criação do mundo Ele predestina estes crentes a compartilharem a glória do Cristo ressurreto.

 

II. Eleição e Doutrinas Relacionadas

 

É agora proposto mostrar que a doutrina da eleição esboçada acima é consistente com o ensino bíblico como um todo. Atenção será direcionada sobre duas doutrinas em conexão com as quais objeções são freqüentemente levantadas, a saber, a doutrina de Deus e a doutrina do homem. Será mostrado que a eleição individual e condicional é mais consistente com estas duas doutrinas.

 

A. A Natureza de Deus

 

A objeção mais forte a este entendimento da eleição é que ela viola o ensino bíblico concernente à natureza de Deus. Esta objeção, que é a mais levantada pelos calvinistas, deve ser levada muito a sério. Veremos, entretanto, que ela não tem base, visto que a eleição individual e condicional é perfeitamente consistente com a soberania, graça e justiça de Deus.

 

1. A  SOBERANIA DE DEUS

 

Nenhuma doutrina é mais importante que a soberania de Deus. M. B. Wynkoop acertadamente disse:[27]

 

...Sua soberania suprema é o fundamento da totalidade da teologia cristã. Não se pode permitir nenhuma teoria filosófica que admita a mais leve brecha nessa soberania. Cada doutrina cristã depende desse ensinamento... Se Deus não é completamente soberano não pode sustentar a fé cristã.

 

Uma das objeções mais comuns à eleição condicional é que ela necessariamente viola a soberania de Deus. Berkouwer resume a objeção assim: “Em tal noção, a decisão de Deus depende da decisão humana”.[28] É claro,  ele diz, que a predestinação de acordo com o pré-conhecimento “lanças sombras sobre a soberana eleição de Deus e é uma flagrante contradição à natureza da fé cristã”.[29] É por isso que ela foi rejeitada por João Calvino[30] e pelo Sínodo de Dort.[31] A rejeição da fé prevista por Calvino, como resumida por Berkouwer, é como segue:[32]

 

...Ele vê nela um ataque à grandeza de Deus. Ela supõe um Deus que fica esperando, cujo julgamento e ato final dependem da e seguem a decisão e aceitação humana, de forma que a decisão final e principal repousa sobre o homem; ela ensina a auto-destinação ao invés da divina destinação (Institutas I, xviii, 1)

 

Esta é basicamente a mesma objeção expressa por Roger Nicole:[33]

 

Acho censurável que na posição arminiana os resultados últimos parecem depender da escolha do homem e não da escolha de Deus. E me parece que tanto as Escrituras como um entendimento adequado da soberania divina exigem que a escolha seja deixada com Deus e não com o homem....

 

A idéia da soberania divina de Hermam Hoeksema, de acordo com James Daane, é que “nada que Deus faz é uma resposta ao que o homem tem feito. Deus nunca é condicionado pelo homem. As ações do homem não podem tornar-se condições para a resposta de Deus”.[34] Assim, a divina soberania deve excluir a eleição condicional.

 

Em resposta a essa objeção, é livremente admitido que a eleição condicional significa que em algum sentido Deus reage a uma decisão feita pelo homem. Mas deve-se insistir que isto de forma alguma viola a soberania de Deus.[35] E isto é apoiado por duas considerações.

 

Em primeiro lugar, um arranjo sob o qual Deus reagiria às escolhas humanas violaria sua soberania somente se Deus fosse forçado a tal arranjo, somente se fosse uma necessidade imposta sobre Deus de fora. Mas este não é o caso. Foi a escolha soberana de Deus trazer à existência um universo habitado por criaturas livres cujas decisões, em certa medida, determinariam o quadro total.[36] Quando Deus estabeleceu o sistema de eleição condicional, foi Ele apenas quem impôs soberanamente as condições.[37] A liberdade de Deus para decretar o que quer que Lhe agrade é a prova e essência da Sua absoluta soberania. Samuel Fisk assinala que a decisão voluntária e livre de Deus para permitir ao homem uma medida de autodeterminação “é algo que somente um Deus grande e onipotente faria”.[38] Antes que diminuir a Sua soberania, isto na verdade a engrandece e a glorifica ainda mais.

 

Em segundo lugar, negar a eleição condicional em princípio porque ela apresenta Deus reagindo às ações humanas ignora o fato de que Deus tem reagido e reage às decisões humanas em formas mais básicas do que esta.

 

De primeira importância está o fato de que a decisão humana de pecar é um fator contingente ao qual Deus reagiu. Esta é a própria essência do Cristianismo: porque o homem pecou, Deus providenciou a redenção. Virtualmente cada ação de Deus registrada na Bíblia após Gn 3.1 é uma resposta ao pecado do homem. O pacto abraâmico, o estabelecimento de Israel, a encarnação de Jesus Cristo, a morte e ressurreição de Cristo, o estabelecimento da Igreja, a própria Bíblia – todas estas são parte da reação divina ao pecado do homem. Como C. S. Lewis assinalou, Deus não perdoaria pecados se o homem tivesse não cometido nenhum. “Nessee sentido a ação divina é conseqüente, condicionada e produzida por nosso comportamento”.[39]

 

Da mesma forma, o julgamento de Deus sobre os pecadores impenitentes é uma reação ao pecado do homem. É muito interessante que o próprio Berkouwer argumenta em favor deste ponto,[40] ainda que, ao assim fazê-lo, ele compromete todo o seu argumento contra a eleição condicional. Sua inconsistência aqui é resultado da sua inabilidade para aceitar uma reprovação incondicional que é simétrica a uma eleição incondicional. Assim, ele diz que as “Escrituras repetidamente falam da rejeição de Deus como uma resposta divina na história, como uma reação ao pecado e desobediência do homem, não como sua causa.” A rejeição de Deus dos pecadores “é claramente Sua santa reação contra o pecado”.[41] É “um ato reativo, uma santa e divina resposta ao pecado do homem.”[42]

 

À luz de afirmações como estas, como pode Berkouwer ou qualquer calvinista continuar a argumentar que a eleição condicional é uma violação da soberania de Deus? Se Deus pode manter Sua soberania enquanto reage ao pecado do homem, Ele seguramente pode mantê-la enquanto reage à fé (prevista) do homem.

 

Outra área na qual Deus reage às decisões humanas é a oração. C. S. Lewis argumenta nas suas Cartas para Malcolm que se Deus pode reagir ao pecado, Ele certamente pode reagir à oração.[43]

 

Nós podemos pressionar esta questão mais e perguntar, se Deus pode reagir ao pecado e à oração sem comprometer a Sua soberania, por que Ele não pode reagir à fé prevista? A resposta, é claro, é que Ele pode e reage. Dizer que isto faz Deus dependente do homem ou que o homem está, desse modo, causando Deus a fazer algo, é uma infundada caricatura. A idéia completa de que a eleição incondicional é o sine qua non da soberania de Deus é, com diz Shank, uma “trapaça teológica” e “uma das maiores falácias do Calvinismo”.[44]

 

2. A GRAÇA DE DEUS

 

Outra objeção igualmente forte à eleição condicional é que ela viola a graça de Deus. Isto é, se Deus elege por meio do Seu pré-conhecimento da fé, isto faria do homem, em alguma medida, a causa de sua própria salvação. Onde, então, está a graça?[45]

 

Agostinho e Calvino rejeitaram a eleição condicional como inconsistente com a graça e como significando a justificação pelas obras.[46] Isto aconteceu em parte porque muitas pessoas a quem eles se opuseram ainda ensinavam algum tipo de salvação por mérito, e portanto, elas ensinavam a predestinação sobre a base do mérito previsto. Ambrósio, por exemplo, comentando Rm 8.29, diz que Deus “não predestinou antes que Ele pré-conheçeu, mas àqueles cujo mérito Ele pré-conheceu, Ele predestinou as recompensas do mérito”.[47] Um dos principais opositores de Calvino, Pighius, era, como diz Wendel, “o herdeiro de um longa tradição, a qual tinha se empenhado em fazer a predestinação dependente do pré-conhecimento dos méritos”.[48] Isto certamente prejudicou a formulação do problema por Calvino, como é demonstrado na seguinte declaração:[49]

 

...Mas é uma peça de fútil astúcia agarrar-se ao termo presciência e assim usá-lo como pino ou âncora para a eterna eleição de Deus mediante os méritos dos homens, a qual em todos os lugares o apóstolo atribui somente ao propósito de Deus....

 

É bastante apropriado rejeitar o pré-conhecimento dos méritos como incompatível com a graça. Mas o calvinista não pára por aí. Mesmo quando se rejeita todas as noções de mérito e se insiste na prevista, não adianta, o calvinista ainda clama que a graça é anulada. Isto acontece porque ele não consegue perceber a distinção bíblica entre a fé e as obras. Berkouwer assevera que a “eleição não encontra suas bases nas obras humanas e portanto não em sua fé prevista”.[50] Seja mérito ou fé que é prevista, “a decisão de Deus é dependente da decisão humana. A iniciativa e a majestade da graça de Deus é ofuscada”.[51] Assim, a graça é “limitada e obscurecida”.[52]

 

Este tipo de objeção à eleição condicional não enxerga um dos princípios mais básicos no sistema da graça, a saber, que a fé e as obras são qualitativamente diferentes. A graça é consistente com a como uma condição, mas não com as obras como uma condição (Rm 4.4, 5, 16; 11.16). “Pois pela graça sois salvos através da fé,” mas “não como um resultado da obras” (Ef 2.8, 9). Nestas passagens Paulo claramente mostra que a fé não está na categoria das obras. Elas são qualitativamente diferentes.

 

Assim, devemos concordar que as obras, mérito ou santidade previstos como uma condição para a eleição seriam contrários à graça. Mas devemos dizer o mesmo a respeito da fé?  É claro que não. A fé por sua natureza é consistente com a graça, seja ela prevista ou não. Se Deus pode dar a salvação na condição da fé post facto, então Ele pode predestinar um crente à salvação como resultado de Seu pré-conhecimento da sua fé.[53] Assim, dizer que a eleição é da graça não significa que é incondicional; simplesmente significa que não é condicionada pela obras.

 

Um dos problemas básicos aqui e com o sistema calvinista em geral é a noção da graça soberana. A tese de Berkouwer é que a eleição de acordo com a fé prevista é simplesmente sinergismo e é apenas outro meio de oposição “à soberania da graça de Deus.”[54] Ele fala do “escândalo da graça soberana”.[55]

 

A idéia da graça soberana realmente é um escândalo, mas foi criada pelo homem quando os conceitos da soberania e da graça de Deus foram fundidos e confundidos juntamente. Seguramente Deus é soberano em todas as coisas, mas Sua soberania não absorve ou cancela os Seus outros atributos. Sua sabedoria, Seu amor e Sua graça não são sinônimos de Sua soberania. A soberania de Deus se expressa em termos de poder absoluto, o poder de força e intensidade absolutas, o poder de criar e destruir. Mas a graça é expressa em um tipo totalmente diferente de poder, a saber, o poder atrativo de amor e compaixão e auto-sacrifício (veja Jo 12.32)

 

No conceito de graça soberana, a soberania domina e destrói a graça, de forma que não é permitido à graça ser graça. O pastor está vestido inadequadamente de uniforme de guerreiro.

 

Nós devemos tomar a graça nos seus próprios termos. A graça não deseja forçar o seu caminho. Como Cristo, ela aguarda na porta e bate (Ap 3.20). A Bíblia ensina muito claramente que os dons da graça são apropriados pela fé. Se for pelas obras, então a graça não é mais graça. Nisto todos concordam. Mas, da mesma forma, se é por soberana imposição, então, também, a graça já não é mais graça.

 

A eleição condicional, então, é bastante consistente com a graça; ela se opõe somente ao falso híbrido da graça soberana.

 

3. A JUSTIÇA DE DEUS

 

Finalmente, deve ser percebido que a eleição condicional de indivíduos é consistente com a justiça de Deus. A justiça de Deus leva-O a tratar todas as pessoas com igualdade e não conceder favor especial com respeito à salvação.

 

Este é o ponto do ensino da Bíblia de que Deus não faz acepção de pessoas. (veja At 10.34; Rm 2.11; Ef 6.9; Cl 3.25; 1Pe 1.17.) O calvinista freqüentemente cita este ensino bíblico para provar a eleição incondicional. Isto é feito tomando o ensino para significar que Deus não leva em conta nada no próprio indivíduo (i.e., nem certas condições) quando o seleciona para receber a fé e a salvação. O princípio é dado na Escritura, entretanto, para mostrar exatamente o oposto, a saber, que Deus recompensa e pune somente na base do que Ele encontra na própria pessoa. O contexto no qual o princípio é asseverado estabelece isto. Ele visa ensinar a justiça e lealdade de Deus no julgamento.

 

A verdadeira coisa que violaria este princípio da justiça de Deus seria decidir o destino eterno de um indivíduo sem levar em conta qualquer coisa nele. Mas isto é exatamente o que a doutrina da eleição incondicional assevera. Somente a doutrina da eleição condicional, onde Deus elege para salvação aqueles indivíduos que estão em conformidade com Seus termos de perdão dados e anunciados graciosamente, pode preservar a justiça e imparcialidade de Deus.[56]

 

B. A Natureza Humana

 

Visto que a eleição condicional é vista ser consistente com a doutrina bíblica de Deus, segue-se que não existe agora nenhuma razão para rejeitá-la? Não, porque a natureza humana está também no assunto em pauta. De fato, a razão básica para a rejeição do Agostinianismo da eleição condicional e a afirmação da eleição incondicional jaz nessa área. Assim, resta ser demonstrado que a eleição condicional é consistente com a doutrina bíblica do homem.

 

1. DEPRAVAÇÃO TOTAL

 

Por que o calvinista continua insistindo na predestinação incondicional, mesmo quando a soberania e a graça não estão em jogo? Qual é o imperativo que exige isso? A resposta é a doutrina da depravação total, a qual na sua essência significa que todas as pessoas, por causa do pecado de Adão, estão desde o nascimento, incapazes de responder de qualquer maneira positiva ao chamado do evangelho. Existe uma total incapacidade para chegar à decisão de colocar a própria confiança em Cristo. Este ponto é verdadeiramente a pedra fundamental no sistema calvinista. Este ponto é aquele que faz a eleição incondicional lógica e doutrinariamente necessária.

 

Isto é mostrado na freqüente objeção de que a fé prevista não resolve nada, visto que Deus dá a fé para quem quer que Ele escolha.[57] Por que deve Deus escolher aqueles a quem Ele daria fé? Não a fim de preservar Sua soberania, mas por que ninguém na massa pecadora da humanidade é capaz de responder quando o evangelho é pregado. Portanto, se alguém responderá, Deus deverá decidir quais deles será capaz de crer.

 

A situação é como aquela de um médico que aperfeiçoou uma técnica na qual restaurará sanidade à maioria das pessoas desarranjadas mentalmente. Pelas mesmas razões ele não pode usar a técnica em todas as pessoas, assim alguns devem ser selecionadas e outras rejeitadas. Uma vez que os indivíduos em questão são tão loucos mesmo para saber o que está acontecendo, o próprio médico simplesmente vê os pacientes e decide com base em fundamentos totalmente desconhecidos por eles, quais deles devem se tornar sãos.

 

O fato é, entretanto, que a Bíblia não retrata o homem como totalmente depravado. O homem como um pecador está verdadeiramente depravado e corrupto (Jr 17.9), mesmo a ponto de estar morto em delitos e pecados (Ef 2.1, 5; Cl 2.13). Isto não significa, entretanto, que ele é incapaz de responder ao chamado do evangelho. O paralelo entre Ef 2.1-10 e Cl 2.11-13 mostram que mesmo a pessoa que está morta em seus pecados é regenerada através da sua fé em Cristo, isto é, ela crê antes de ser regenerada. Sua regeneração ou sua vinda para a vida depende da sua fé. Isto é visto em Cl 2.12, que diz que no batismo uma pessoa é ressuscitada com Cristo (isto é, torna-se viva, regenerada) através da fé na obra de Deus.

 

Assim, uma pessoa não pode vir à fé sem o evangelho (Rm 10.17), mas ela é capaz de responder ao evangelho em fé. Deus pré-conhece quem dará tal resposta e a estes Ele predestinou para salvação.

 

2. RESPONSABILIDADE HUMANA

 

Somente a eleição condicional preserva a integridade da livre vontade e, assim, da responsabilidade humana, sem a qual um sistema moral é impossível. Deus não força o homem ao pecado; o homem escolhe o pecado de sua livre vontade. Assim, o indivíduo é responsável por seu pecado e por sua rejeição da graça e ele justamente sofre a punição por isto. Assim, Deus não força uma pessoa a pecar, nem força ninguém a aceitar a sua graça. Uma pessoa escolhe aceitar a graça quando decide reunir as condições que Deus estabeleceu para recebê-la. É claro, não existe mérito em fazer a decisão, pois a condição é uma condição da graça e não das obras. No entanto, uma pessoa é responsável pela própria decisão. Se ela não a toma, ela tem somente a si mesma para culpar.

 

Um outro ponto deve ser enfatizado, a saber, que o caráter autêntico e livre da decisão de uma pessoa não é anulado pelo pré-conhecimento de Deus. Alguns arminianos objetam à predestinação individual em tais bases. Como pode a escolha humana ser verdadeiramente livre, eles dizem, se Deus as conhece de antemão? A fim de preservar a liberdade humana, eles são compelidos a diminuir a majestade do pré-conhecimento de Deus. Alguns argumentam que Deus tem limitado voluntariamente o seu próprio pré-conhecimento.[58] A idéia é que Deus, por sua própria escolha, não sabe de antemão quem irá aceitar Cristo; Ele deve esperar até que a real decisão seja feita.

 

Esta visão ignora o ensino bíblico a respeito da eternidade de Deus. A idéia que Deus tem voluntariamente limitado o seu conhecimento não tem base bíblica, e é simplesmente impensável na visão do majestoso retrato do Deus eterno discutido anteriormente. Mas, pensar que Deus teria que limitar seu pré-conhecimento a fim de preservar a liberdade humana é impossibilitado da mesma forma pela eternidade de Deus. Pois, afinal de contas, mesmo as decisões livres dos homens são feitas dentro da estrutura do tempo. São decisões verdadeiramente livres, mas são decisões de criaturas limitadas pelo tempo. Mas Deus é eterno, acima do tempo, conhecendo o fim desde o princípio. Dizer que Deus não poderia pré-conhecer verdadeiramente as decisões humanas é ou exaltar demais o homem ou reduzir Deus a posição de criatura.

 

Uma objeção similar é esta: se as decisões humanas são pré-conhecidas, então elas certamente irão ocorrer. Mas, se elas são certas, como elas podem ser livres e contingentes? Isto, novamente, ignora a distinção entre tempo e eternidade e negligencia a realidade da história. Verdade é que cada decisão é certa no que diz respeito ao pré-conhecimento de Deus, mas pré-conhecimento não é predeterminação. Toda decisão deve ser feita na arena da história. Ela não é real até ser produzida por uma vontade humana na história. O fato que Deus pré-conhece o que aquela escolha será, não significa que Ele a causou. Ele simplesmente sabia de antemão o que seria decidido livremente. Ele pode fazer isto porque Ele é Deus, não homem.

 

Somente a predestinação condicional de indivíduos, então, pode preservar a majestade do Deus eterno e a integridade da vontade livre e da responsabilidade humana.

 

Conclusão

 

Em resumo, a doutrina da predestinação com respeito à salvação e condenação pode ser descrita assim: (1) Existe uma predestinação absoluta, incondicional, feita sem referência ao pré-conhecimento. Esta predestinação é geral ou de um grupo, corporativa, do plano ou de classe de homens. Pelo absoluto decreto soberano, Deus determinou salvar qualquer um que responde à sua livre oferta de salvação e condenar qualquer um que a rejeita. (2) Existe também uma predestinação condicional, feita por meio do pré-conhecimento de Deus. Esta é uma predestinação particular, a eleição de indivíduos para salvação ou a reprovação de indivíduos para condenação. Porque Deus pré-conhece cada decisão pessoal, Ele predetermina cada destino pessoal.

 

Esta é a doutrina da predestinação como ensinada pelo próprio Armínio. Bangs resume uma das declarações de Armínio, assim:[59]

 

Por uma predestinação absoluta Deus deseja salvar aqueles que crêem e condenar aqueles que perseveram na desobediência; por uma predestinação condicional Deus deseja salvar aqueles indivíduos a quem Ele pré-conhece como crentes e perseveram e condenar aqueles a quem Ele pré-conhece como não crentes.

 

Mas é somente incidental que Armínio ensinou esta visão da predestinação. De importância infinitivamente maior é o fato de que a Bíblia a ensina.

 

Tradução: Cloves Rocha dos Santos



[1] Robert Shank tenta distingui-las assim: “Ambas – eleição e predestinação – são atos de determinação, mas a eleição é a escolha de Deus do homem per se, enquanto a predestinação olha além do fato da própria eleição, aos propósitos e objetivos compreendidos na eleição”. Também, ele diz, “A eleição é o ato pelo qual Deus escolhe homens para Si mesmo, enquanto a predestinação é Seu ato determinando o destino dos eleitos que escolheu.” (Eleitos no Filho [Springfield, Mo.: Westcott Publishers, 1970] pag. 156). Esta distinção, entretanto, não é inerente aos termos, nem autorizada pelos vários contextos. A palavra proöridzo como tal não contém a idéia de destinação; nem é o uso da voz média por eklegomai  teologicamente conclusivo (como Shank reivindica), visto que esta é a forma comum da palavra sempre que usada. Que ambos os termos são usados com referência aos propósitos, objetivos e circunstâncias da eleição é evidente de uma comparação de Rm 8.29, 30 e 1Pe 1.2. (Veja também 2Ts 2.13, onde haireonai, um sinônimo de eklegomai, é usado.)

[2] Refere a eventos bem como a pessoas. Veja At 4.28.

[3] Todas as citações das Escrituras são da Nova Bíblia Padrão Americana.

[4] James Daane, A Liberdade de Deus: Um Estudo da Eleição e do Púlpito (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1973). pag 104.

[5] G. C. Berkouwer, Eleição Divina, trad. Hugo Bekker (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1960). pp. 210ff. Sua principal preocupação é evitar a conclusão da reprovação individual como uma contrapartida simétrica da eleição individual.

[6] “A eleição divina de Jesus cumpre o propósito da eleição de Israel....” (Daane, op. cit., p. 107).

[7] O sistema calvinista de teologia não se origina realmente com Calvino, mas antes com Agostinho.

[8] Berkouwer, op. cit., p.60.

[9] João Calvino, As Institutas da Religião Cristã, III. xxi. 7, trad. Ford Lewis Battles (vol. XXI em Biblioteca dos Clássicos Cristãos, ed. John T. McNeill. Philadelphia: Westminster,1960), II, 931.

[10] Calvino, “Tratado Sobre a Eterna Predestinação de Deus”, em Calvinismo de Calvino, trad. Henry Cole (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1956). pag 46.

[11] H. Orton Willey e outros, “O Debate a Respeito da Eleição Divina”, Christianity Today, IV (12 de outubro de 1959), p. 3.

[12] Ibid., p. 5.

[13] Mildred Bangs Wynkoop, Fundamentos da Teologia Arminio Wesleyana  (Campinas, SP: Casa Nazarena de Publicações, 2004), p. 17.

[14] Ibid., p. 33.

[15] Ibid., p. 57.

[16] Shank, op. cit., p. 45.

[17] Ibid., pp. 50, 55.

[18] Ibid., p. 122.

[19] Veja Jack Cottrell, “Eleição Condicional”, The Seminary Review, XII (Summer 1966), 57-63; também, Cottrell, “A Predestinação de Indivíduos”, Christian Standard, CV (4 de outubro de 1970), 13-14.

[20] O plano, é claro, é predeterminado por Deus. Isto se aplica tanto à obra redentora de Cristo (At 4.28), quanto ao estabelecimento da Igreja. Mas este não é o ponto da predestinação para a salvação.

[21] A maioria dos calvinistas tenta evitar as claras implicações do pré-conhecimento de Deus mudando o significado de “pré-conhecer” para “pré-amar” ou algo similar. A idéia de cognição é subordinada a algum outro conceito. Por exemplo, Roger Nicole diz, “As passagens que lidam com o pré-conhecimento não são de todo difíceis de integrar, visto que o termo pré-conhecimento na Escritura não tem meramente a conotação de informação de antemão (a qual o termo comumente tem em linguagem não teológica), mas indica a escolha especial de Deus unida à afeição” (H. Orton Wiley e outros, op. cit., p. 16). Esta é uma definição arbitrária, entretanto, e não é consistente com o uso do termo em At 2.23, onde ele pode significar não mais que presciência. Veja Samuel Fisk, Soberania Divina e Liberdade Humana (Neptune, N.J.: Loizeaux Brothers, 1974), pp. 73-75, 106-7.

[22] Calvino reconheceu que esta foi a visão dos Antigos Pais da Igreja, e mesmo de Agostinho por um tempo. Mas ele sugere que “imaginemos que eles não falassem isto” (Institutas, III. xxi. 8; op. cit., pp. 941-2). Berkouwer percebe que “Bavinck chega ao ponto de chamar esta solução de ‘geral’, pois ela é aceita pelos ortodoxos gregos, católicos romanos, luteranos, remonstrantes, anabatistas e pelas igrejas metodistas” (Berkouwer, op. cit., p. 37).

[23] Por exemplo, Wiley objeta aplicar a predestinação aos indivíduos, todavia admite que Deus tem pré-conhecimento daqueles que irão crer em Cristo. (Willey e outros, op. cit., pp. 5, 15). O tratamento de Shank do pré-conhecimento é um quebra-cabeças: “Assim, é evidente que as passagens que pressupõem o pré-conhecimento e a predestinação devem ser entendidas como tendo uma estrutura de referência primariamente à nação de Israel de Deus corporativamente e secundariamente a indivíduos, não incondicionalmente, mas somente em associação e identificação com o corpo eleito...” (Shank, op. cit., p. 154). É como se a eleição corporativa fosse o oposto da eleição incondicional. Além do mais, Shank diz que “se Deus ativamente pré-conheceu cada indivíduo – ambos eleitos e reprovados – pode restar uma questão a discutir. A doutrina bíblica da eleição não requer tal pré-conhecimento particular eficiente, pois a eleição é primariamente corporativa e objetiva e somente secundariamente particular. As passagens que pressupõem o pré-conhecimento e a predestinação dos eleitos podem ser entendidas tanto de uma forma como de outra” (Ibid., p. 155).

[24] Veja Shank, op. cit., pp. 27ff.; Berkouwer, op. cit., pp. 132ff.

[25] A mente calvinista vê a eleição como fazendo a transição da incredulidade à fé, por conseguinte, torna os incrédulos objetos da eleição. O arminiano diz que esta transição é realizada por um ato livre da vontade; a eleição é então o ato de Deus dirigido ao crente após a transição ter sido feita. Ignorando esta importante distinção, Daane critica a visão arminiana da eleição como sendo impossível de ser pregada visto que “Ela transforma a eleição de Deus em um ato humano”. Ela faz a eleição ser meramente “uma descrição das possibilidades da liberdade humana”. Assim, “o Arminianismo não pode pregar a eleição porque ele não considera a eleição como um ato de Deus e, portanto, como uma ação de Sua Palavra; a eleição é meramente uma possível resposta que o pecador pode fazer à Palavra” (Daane, op. cit., pp. 15-18). Sua crítica erra o alvo, entretanto, uma vez que a eleição não é algo dirigido a incrédulos, mas dirigido a crentes. Na verdade, a transição da incredulidade à fé não é um ato de Deus, mas também não é resultado da eleição. Veja Fisk, op. cit., pp. 37-40.

[26] A controvérsia supralapsariana-infralapsariana está no lugar errado. Ela discorre sobre se o decreto de Deus para eleger é antes ou subseqüente ao Seu decreto da queda. Mas o ponto focal da eleição não é a decisão humana para pecar, mas, antes, sua decisão com relação à oferta de Deus da graça. A questão crucial é se o decreto de Deus de eleger é antes da decisão humana de aceitar Cristo ou se ele a segue. A última é a visão bíblica.

[27] Wynkoop, op. cit., p. 97.

[28] Berkouwer, op. cit., p. 42.

[29] Ibid., p. 35.

[30] Ibid., p. 36.

[31] Ibid., p. 26.

[32] Ibid., p. 36.

[33] Willey e outros , op. cit., p. 5.

[34] Daane, op. cit., p. 25.

[35] Para uma discussão mais completa, veja Jack Cottrell, “Soberania e Livre-arbítrio”, The Seminary Review, IX (Spring 1963), 39-51.

[36] Veja C. S. Lewis, Cartas a Malcolm: Principalmente sobre a Oração (London: Geoffrey Bles, 1964), p. 72. Ele diz, “Todavia, para nós criaturas racionais, ser criado também significa ‘ser feito agentes’. Nós não temos nada que não temos recebido; mas, parte daquilo que nós temos recebido é o poder de sermos algo mais do que receptáculos”.

[37] James Daane apresenta uma caricatura irresponsável e totalmente falsa da eleição condicional quando diz, ”A teologia reformada rejeita o Arminianismo porque ele faz Deus sujeitar-se às condições humanas. Ela rejeita a noção que Deus não é livre para operar exceto dentro das condições colocadas pelo homem e que Deus não pode salvar o homem a menos que o homem primeiro decida crer e escolher Deus” (Daane, op. cit., p. 127). Ele então refere a “imposição do arminiano de restrições sobre Deus” (Ibid).

[38] Fisk, op.  cit., pp. 51-52.

[39] Lewis, loc. cit.

[40] Berkouwer, op. cit., pp. 183ff.

[41] Ibid., p. 183.

[42] Ibid., p. 184.

[43] Lewis, loc. cit.

[44] Shank, op. cit., pp. 143-4.

[45] Daane diz que “os arminianos asseguram que Deus decretou eleger todos os homens, e então, em resposta à incredulidade de muitos deles, decretou eleger somente aqueles que crêem. O pensamento reformado acha isto inaceitável, pois se rende à verdade da salvação do homem pela graça somente” (Daane, op. cit., p. 54).

[46] Berkouwer, op. cit., p. 36. Veja Wynkoop, op. cit., p. 56.

[47] Ambrósio, De Fide, lib. V. n. 83, citado por Harry Buis, O Protestantismo Histórico e a Predestinação (Philadelphia, Pa.: Presbyterian and Reformed, 1958) p. 9.

[48] Francois Wendel, Calvino: As Origens e o Desenvolvimento do seu Pensamento Religioso, trad. Philip Mairet (New York: Harper and Row, 1963), p. 271.

[49] Calvino, “A Eterna Predestinação de Deus”, p. 48; cf. p. 64. Veja também as Institutas, III. xxi. 3, onde Calvino fala da previsão da santidade e das boas obras.

[50] Berkouwer, op. cit., p. 42; itálicos supridos.

[51] Ibid.

[52] Ibid., p. 43.

[53] Veja Fisk, op. cit., pp. 77-78; e Shank, op. cit., pp. 125, 144-5.

[54] Berkouwer, op. cit., p. 47.

[55] Ibid., p. 8.

[56] Veja Fisk, op. cit., p. 47. Wiley faz uma infeliz declaração quando diz que “ela impugna a justiça de Deus, para ele decidir – sem considerar se um homem crê ou não – se ele pode, se ele será salvo” (Wiley e outros, op. cit., p. 5). O Dr. Wiley pensa disto como uma crítica da predestinação incondicional e individual; mas ela não representa precisamente essa posição nem qualquer outra.

[57] Veja Carl Bangs, Armínio: Um Estudo da Reforma Holandesa (Nashville, Tn.: Abingdon Press, 1971), p. 129.

[58] Por exemplo, T. W. Brents, O Plano Evangélico de Salvação (reimpressão, Nashville, Tn.: Gospel Advocate, 1966), pp. 92ff.

[59] Bangs, op. cit., p. 221.

Artigos Relacionados